(11) 4063-9677

Me ligue
De seg. à sex. das 9h às 18h, sáb. das 09h às 13h
23 de agosto de 2016 - por FDBCom Comunicação.

 Portabilidade ou Refinanciamento da Dívida?

 

Vamos começar pela portabilidade da dívida, assim como acontece na telefonia, a portabilidade é levar sua linha de crédito já contratada em um banco para um outro banco, obviamente com uma negociação de taxa de juros mais favorável.

 

Temos duas figuras no caso da portabilidade:

 

Banco de Origem : banco onde inicialmente a dívida foi contraída, dívida essa na qual o cliente já tenha quitado algumas parcelas. É o banco de origem do empréstimo da portabilidade.

 

Banco de Destino: banco que irá executar a quitação do empréstimo em nome do cliente, ele irá quitar e levar a dívida para ele. É o banco de destino do empréstimo da portabilidade.

 

Vamos dividir os processo em etapas:

 

1º – O Banco de Destino solicita ao banco de origem o saldo devedor atualizado do cliente.

 

2º O Banco de Origem irá tentar fazer a retenção do cliente oferecendo-lhe um refinanciamento, o prazo para essa tentativa de retenção é 5 dias úteis.

 

3º- O Banco de Origem não conseguindo reter o cliente, irá enviar saldo devedor e a forma de pagamento ao Banco Destino.

 

4º- O Banco Destino irá efetivar o pagamento e simultaneamente enviar o comando de averbação da parcela do empréstimo junto ao órgão averbador (INSS, governo, Siape, etc).

 

5º- Após a quitação o Banco de Origem é obrigado a cancelar a parcela quitada,  caso isso não ocorra o cliente deve reclamar na ouvidoria do Banco de Origem, no Banco Central do Brasil, Procon e ReclameAqui.com.br para exigir que o a parcela quitada não seja mais descontada de seu salário ou aposentadoria.

 

5º- A operação de portabilidade é finalizada quando a parcela do Banco de Origem é cancelada e a parcela do Banco Destino é aprovada junto ao órgão  averbador.

 

6º- Geralmente após a averbação no Banco Destino é efetuado um refinanciamento em condições melhores do que o oferecido pelo Banco Origem na retenção (ítem 2º) .

 

Vamos falar de Refinanciamento,  o chamado “refin” tem a mesma lógica da portabilidade porém ocorre dentro de um mesmo banco.

No refinanciamento ocorrerá o prolongamento do prazo de parcelamento,  por exemplo, o contrato feito em 60 meses no qual o cliente já tenha pago 30 meses, com o refinanciamento  passará a ter 60 meses ou 48 meses,  de acordo com a contratação de parcelas em aberto.

 

Esse prolongamento do prazo tem por consequência um valor de troco que será liberado para o cliente, essa é uma oportunidade do cliente renegociar sua taxa de juros, mas muitas vezes os bancos não abrem condições vantajosas para o lado do cliente, pois na ótica do banco você  já está “em carteira”, sendo assim um cliente fidelizado. Por esse motivo irá oferecer condições regulares de contratação ou seja nem muito boa nem muito ruim.

 

Por fim, conclui-se que a Portabilidade é uma oportunidade de comparação das condições que você possuí em relação ao resto do mercado financeiro, a Portabilidade faz com que o banco de Origem saia da “zona de conforto” pois seu cliente foi pesquisar na concorrência e para retê-lo terá que demonstrar condições superiores que a  mesma.

 

Veja mais:

Quitação antecipada do empréstimo consignado. Banco Central esclarece questões frequentes sobre a a portabilidade da dívida.

 

 

Sobre o autor:

Postado por Leandro Tamai

OAB 232644

ANBID CPA 20

ANBID CPA 10

Agênte Autônomo de Investimento CVM

Técnico Contábil

SUSEP Plena 10.061308-8

Especialização em Mercado Financeiro Avançado – FIA

ANEPS CCON005915130214

Portabilidade ou Refinanciamento

Tags: , , , , ,

Comentário(1)


  1. Pagamento antecipado de Empréstimo Consignado pelo Aposentado ou Pensionista. - Grupo AMP> - 29.09.2014 @ 10:05:54

    […] Portabilidade ou refinanciamento? […]